Institucional

CONTATOS: 

- Site: www.uniconsportal.org.br
- Correio eletrônico:
walter@uniconsportal.org.br
erlinda@uniconsportal.org.br
contatost@uniconsportal.org.br  
compartilhando@uniconsportal.org.br
- Sede:
Rua Pernambuco, 824 - São Francisco - Campo Grande-MS  


PARCERIAS:

1) Sociedade Teosófica no Brasi
2) Fundação Centro Teosófico Raja.

QUEM SOMOS?

Inscrita no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas sob n° 08.172.606/0001-16, a Associação Educacional BesantAEB foi criada em 19 de março de 2006 como entidade sem fins lucrativos ligada, na condição de organização teosófica autônoma, à Sociedade Teosófica no Brasil –, a partir da ideia de se fazer educação integrada a princípios como fraternidade universal, igualdade de direitos e obrigações, liberdade de expressão, trabalho cooperativo e relações harmônicas com a natureza. Sua sede em Campo Grande-MS, localiza-se à Rua Pernambuco, 824, Bairro São Francisco. 

Nesse contexto, a missão da AEB se traduz pelos seguintes objetivos expressos em seu estatuto: 1) Oferecer estímulos de conscientização, educação e reeducação às diversas faixas etárias da sociedade, sob a perspectiva do homem visto como um todo, em seus componentes físico, emocional, mental e espiritual, enfatizando, prioritariamente, o ânimo cooperador em lugar do competitivo, o responsável em lugar do oportunista, o cosmoético em lugar do apenas nacionalista e o humano em lugar do puramente intelectual; 2) Realizar ações educacionais para atender às demandas sociais de adultos, jovens ou crianças com vistas a melhorar suas chances de desenvolvimento humano integral, inclusive estabelecendo parcerias com a esfera pública (federal, estadual e municipal), apoiando simultaneamente o incremento da cidadania e a melhoria da qualidade da educação brasileira.

As ações educacionais decorrentes de tais objetivos têm alcance amplo, identificando-se mais recentemente com os projetos inerentes à Universidade Livre para a Consciência, tendo como objeto principal a oferta de cursos de extensão, aperfeiçoamento e especialização, nas modalidades presencial e a distância, abrangendo expressiva relação de temas.

Em sua equipe de professores/facilitadores, a AEB conta com pessoas formadas nas áreas de administração, ciências contábeis, psicologia, pedagogia e psicopedagogia, com titulações em nível de mestrado e doutorado, além de especializações diversas, inclusive na área de educação a distância. Abaixo, o organograma da AEB: 


 SOBRE A UNIVERSIDADE LIVRE PARA A CONSCIÊNCIA - UNICONS

Surgindo como decorrência natural do propósito estatutário da Associação Educacional Besant de trabalhar temas intocados na área da educaçãoas famílias esperando ações que as escolas não estão preparadas para oferecer, e vice-versao projeto da Universidade Livre para a Consciência introduz a questão com as palavras:Não é difícil notar a perplexidade social crescente diante dos problemas típicos de nossa época: drogas, violência, poluição, consumismo e outros mais. A lista é bastante extensa, havendo uma identidade comum entre esses problemas, que é a ausência de umnorte. Para isso tem colaborado, em grande parte, a descrença na orientação religiosa, ela própria atacada em suas bases pelo dragão que devora o mundo, abalando o prestígio de seus representantes.

Por outro lado,é também notória a sede de explicações mais profundas, quanto à origem e destino do homem, não mais se satisfazendo com os limites estreitos daquela orientação, dentro da cabeça e do coração das novas gerações. Elas querem luz, sob o impulso astrológico daNova Era.  

Como se manifesta esse anseio de luz? Como é próprio das épocas de mudança, manifesta-se contestando, atirando ao chão os tótenssagradosda sustentação social, sorvendo até a última gota o desvirtuamento existente nessa sustentação, amplamente baseada na hipocrisia, na competição e ausência de sinceridade mesmo em suas instituições mais nobres. A lógica por trás disso é que tão vivendo e revolvendo a fundo o porão da inconsciênciaindividual ou coletivaé que se torna possível trazer à luz e exterminar os miasmas que o alimentam.

Abrangência

Abordando grupos temáticos comoGestão escolar,Relacionamentos,Pais e Mães,Juventude com Responsabilidade,Meio ambientee outros, os cursos oferecidos pela UNICONS se propõem abordar questões comoA indisciplina na escola,A questão da violência,Sexualidade e permissividade,Valores éticos,Relacionamentos Maduros,O amor busca obter vantagem?,Autoritarismo: Faz Diferença saber a Diferença,Pais e Mães: a Missão Consciente,Comunicação Não Violenta,Quem serão os Pais dos Filhos da Nova Era?,Condicionamento: o Paradoxo da Educação Atual,Somos Autores de Nossos Filhos?,A Educação deve Condicionar ou Libertar?,Drogas: uma Opção no Vazio do Amor?,Terra Viva: o Planeta que nos Abriga,Liberdade: Qual é o seu Preço?,Sexo Imaturo: Origem e Conseqüências,Ídolos: que bem (ou mal) nos fazem?,Mudança no Consumo:Esperança está nos Jovens,Vida Una: a fonte de toda vida,Terra Viva: o Ser que nos abriga,Está o consumismo devorando o mundo?

A seguir, uma análise da designação "Universidade Livre para a Consciência", atribuída como nome fantasia a este trabalho específico em nome da Associação Educacional Besant.

Por que "Universidade"?

O termouniversidadetem como um de seus significadosuniversalidade. Hoje não restrito às entidades acadêmicasonde, para o verdadeiro sentido universal está faltando o essencialmente humano, além do espiritualtal designação ajusta-se muito bem à proposta de trabalho da UNICONS, onde os enfoques do ensino e pesquisa desenvolvem-se sob a ótica da construção do conhecimento a partir do interior do próprio indivíduo. 

Que trabalho é feito pelas escolas e Universidades, como as conhecemos? Em geral, é exatamente o oposto: armazenar mais e mais informações dentro do indivíduo, como alimento estritamente intelectual. Esse nível da mente funciona com base na diferenciação, no jogo dos opostos, o que é eficiente para resolver equações matemáticas ou o entendimento das coisas, mas ineficaz e mesmo prejudicial para a vida dos relacionamentos. Sem o estímulo do trabalho interno (que a Universidade desconhece), esse jogo é naturalmente aplicado também á educação dos filhos, à vida conjugal, ao intercãmbio entre os países, prevalecendo a valorização do lado externo das coisas, o brilho da ostentação, a força da riqueza material, gerando ilhas de prosperidade cercadas de inveja e pobreza por todos os lados.

A força desse jogo é tão grande que iniciativas históricas aparentemente igualitárias contrariando a predominância do capitalismo naufragaram no descrédito. Tais iniciativas, por certo, pecaram também por se fundamentar no lado oposto, mas de qualquer maneira a essência desse naufrágio é uma só: a valorização da aparência, o brilho midiático, o jogo puramente material, onde a regra econômica da escassez e da disputa predomina como lei.

Nos dias de hoje são bem visíveis o sucateamento do planeta e das famílias sem norte algum como um dos resultados dessa maneira de ver as coisas. Entretanto, como tudo é cíclico e, de certa forma, "está certo como está", entende-se que tal desagregação deve trazer algo de positivo como um choque regenerador para a humanidade, para o despertar de uma "nova consciência". Nessa perpectiva é que se insere a proposta da UNICONS.

"Livre" de quê?

Aqui, o qualificativolivre” significa um olhar para além todo condicionamento. Desde as bases do ensino, na pré-escola, ele privilegia a formação intelectual. Ficam dessa forma entregues ao acaso as questões essenciais do relacionamento, como base da consciência: a convivência com o outro, com o planeta e ainda com nosso próprio mundo interno: corpo físico, emoções e pensamentos. Torna-se daí mais fácil entender as lacunas existentes no processo educacional e os tremendos efeitos decorrentes, fundamentandoa partir da desorientação no seio das famíliasos conflitos sociais.

O processo evolutivo real (bem mais profundo e ambicioso do que propõe o "darwinismo")  é algo extremamente lento. Avança milímetro e milímetro através das eras porque se baseia no domínio que o ser humano adquire sobre si mesmo, autoconhecendo-se. Nessa jornada, a liberdade entendida como a possibilidade de o indivíduo experimentar e realizar em si o próprio mistério do autoconhecimento – é um bem fundamental, sendo em razão disso poderosamente defendida em textos de pensadores eminentes como J. Krishnamurti.

"Consciência": aquilo que buscamos

Quanto ao termo "consciência", que fecha o nome desta Universidade, vem a ser o escopo de todo relacionamento, de toda vida, apresentando-se em razão disso como pedra basilar da UNICONS. O processo da consciência  desdobrando-se a partir do Ser, onde se encontra em germe está essencialmente ligado ao não condicionamento. Onde quer que o condicionamento exista significando energia aprisionada em trilhas no campo mental, sob o magnetismo do desejo e do medo, tendo como fundamento o prazer os hábitos decorrentes gerarão posturas de comodismo, preconceito e reatividade, retroalimentando a inconsciência que sustenta o ego.

O ego evita a consciência por saber que ela poderá extingui-lo como núcleo do falso "eu", a personalidade, chamado ainda de eu psicológico. Assim, sempre que tapamos os olhos à realidade fantasiando, criando desculpas, transferindo nossas responsabilidades para o outro ou para as circunstãncias estamos fazendo o jogo do ego. Isso significa que não apenas os outros nos condicionam, mas nós próprios também fazemos isso, sendo essa tendência na verdade a base do condicionamento, como uma prisão autoimposta, ressalvada a situação de uma criança, naturalmente sujeita às forças do ambiente (caso traga em si o germe da liberdade, por experiências passadas, logo se libertará desse jugo). Ninguém pode condicionar um sábio, um ser autorrealizado, alguém que transcendeu em definitivo as barreiras do medo.

A autorrealização é o destino de todo ser humano. Contribuir para que ela aconteça mais rápidamente, evitando o sofrimento que pode ser evitado (lembrando um dos Yogasutras do sábio Patanjali), é o objetivo último da UNICONS. Abaixo é oferecido um diagrama onde se fundamenta a ideia desse trabalho, tendo nos ângulos da base, como "estudo" e "serviço", os impulsos que do ponto de vista dos relacionamentos externos, das contribuições que podemos trocar com o mundo – criam sustentação para o trabalho interno, onde a "meditação" é ferramenta essencial, em direção à expansão da consciência, ao tesouro infinito do Ser.